Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Como ser um líder intercultural de sucesso

Como ser um líder intercultural de sucesso

Como ser um líder intercultural de sucesso
Imagem: site Berlitz

Fazer negócios globalmente é uma obrigação no ambiente altamente competitivo de hoje, pois abre novos mercados e grupos de talentos mais amplos. No entanto, se você está gerenciando uma equipe cultural e geograficamente dispersa, pode ser um desafio.

Teleconferências de madrugada e tarde da noite, projetos lentos, barreiras linguísticas, conflitos de opinião, atitude e abordagens para trabalhar. Quer suas equipes estejam no Pacífico, Ásia, Europa, Estados Unidos ou em outro lugar, as dificuldades são as mesmas.

A boa notícia é que, com a abordagem e o know-how corretos, é possível superá-los e fazer com que sua equipe multicultural atinja seus objetivos de negócios.

O primeiro passo para uma liderança intercultural de sucesso é ter uma compreensão clara de como é uma equipe global vencedora.

Para traçar um quadro claro, especialistas identificaram cinco características ou “cinco Cs” de equipes multiculturais de alto desempenho: coesão, colaboração, consenso, cooperação e competências culturais. Trabalhar para garantir que sua equipe reflita isso é a chave para o sucesso.

Liderança com visão clara


O executivo sênior global Richard Jonker, via LinkedIn, diz que para gerenciar com sucesso uma equipe multicultural você precisa, primeiro, se posicionar não apenas como gerente, mas como um líder. Alguém que assume o controle, cria valor e auxilia a sua equipe a crescer.

Além de ser assertivo, honesto e transparente, o que pode ajudar a criar confiabilidade e confiança, definir regras e expectativas claras, criar processos de trabalho altamente estruturados e implementar as ferramentas e sistemas certos. Ainda mais importante, defina claramente a visão da sua equipe.

Comunicar uma visão ou missão universalmente compreendida pode ajudar a inspirar e motivar uma equipe díspar. Quanto mais você reforça essa visão, esclarece a parte de todos em alcançá-la e incentiva a colaboração, mais coesão você criará – e mais fácil será seu trabalho.

Gerenciamento intercultural


Em equipes globais, as diferenças culturais podem causar problemas. De estilos de comunicação variados a prazos aceitáveis, linguagem corporal e como mudanças são tratadas, em todos os lugares e todos fazem as coisas de maneira um pouco diferente.

Os países ocidentais, por exemplo, valorizam a assertividade, ao passo que as culturas asiáticas, como a China e o Japão valorizam mais a autoridade, a harmonia e manter as aparências. Os franceses não gostam de enviar e-mail depois do expediente, na Índia 15 minutos de atraso é considerado pontual, e nos Emirados Árabes Unidos o horário da oração é mais importante que um telefonema.

Diferenças como essas podem criar barreiras e mal-entendidos se não forem gerenciadas. Por isso, conhecer essa mistura cultural, bem como as personalidades individuais da sua equipe, demonstrar competência intercultural e construir consciência cultural é vital.

Como líder você precisa se preparar. Organize um treinamento de orientação cultural e use ferramentas como a Hofstead’s Insights para ajudá-lo a entender melhor, prever e lidar melhor com as diferenças. Além disso, faça com que as pessoas compartilhem seus pensamentos e percepções. A partir disso, você pode começar a concordar com as normas aceitáveis e começar a avaliar o que as diferenças trazem para os negócios.

Superando as barreiras do idioma


Além das diferenças culturais, o idioma pode também causar problemas em equipes globais. Um estudo sobre o impacto das barreiras linguísticas em equipes multinacionais descobriu que essas barreiras inibiam a formação de confiança – a cola que mantém a maioria dos relacionamentos colaborativos juntos – de várias maneiras.

Aqueles do outro lado podem sentir ansiedade, interpretar mal o que é esperado deles e retrair.

Há muitas coisas que você pode fazer para superar isso e reconstruir a confiança. Peça aos membros de língua nativa da equipe para desacelerar a fala e simplificar o vocabulário. Além disso, seja um facilitador durante as reuniões para garantir que todos tenham sua vez, repetindo o que é dito para esclarecimento.

Você também deve pensar em oferecer cursos de idiomas para os membros da equipe que não são nativos para ajudar a aumentar a proficiência e a confiança deles. Além disso considere aprender outros idiomas – benéfico para lidar com clientes internacionais também – e incentiva sua equipe a fazer o mesmo.

Eliminando a distância social


De acordo com o Tsedal Neeley, Professor de Harvard e especialista em negócios globais, estrutura, processo, linguagem, identidade cultural e tecnologia (SPLIT) podem ser fontes de distância social e criar baixa conexão emocional, bloqueando a construção de relacionamentos e a confiança.

As etapas simples que ele recomenda para superar isso inclui videoconferências, encorajamento de bate-papo no início das reuniões e a criação de redes sociais da equipe. Na empresa de tecnologia norte-americana GitLab, membros da equipe desfrutam de coffee breaks virtuais – videochamadas onde podem fazer uma pausa para socializar. As refeições da equipe virtuais são um conceito similar.

De acordo com um estudo da Deloitte, a socialização virtual não estruturada ou “momentos mais frios” virtuais como esses permitem que as pessoas se conheçam e tenham um sentimento mais profundo de inclusão. Eles também incentivam o desenvolvimento de ideias inovadoras.

No final das contas, porém, nada é melhor do que o cara a cara, portanto reserve um tempo para os membros da sua equipe e faça visitas regulares a outros locais. Isso o tornará mais visível e acessível. Além disso, organize viagens fora do local de trabalho, onde sua equipe global possa se reunir para se relacionar.

Desafios práticos, diferenças culturais, barreiras linguísticas e distância social podem criar confusão e impedir coesão, construção de relacionamentos e confiança. Infelizmente, isso pode ter efeito indireto na felicidade, criatividade e produtividade da equipe.

No entanto, ao assumir uma posição de líder intercultural, entender, abraçar as diferenças culturais e incentivar pessoas a serem sociáveis, pode torná-lo um líder intercultural de sucesso com uma equipe disposta a trabalhar, realizar e vencer com você e com todo o time.


*
Esse conteúdo foi produzido pela Berlitz, empresa parceira da Educação Metodista. Quer aprimorar seus conhecimentos e aprender outro idioma? Conheça nossa parceria com a Berlitz. Preços promocionais para alunos, docentes e funcionários da Educação Metodista.

registrado em: , ,